AS EMOÇOES NOSSA DE CADA DIA

AS EMOÇOES NOSSA DE CADA DIA

Nossa Psicodinâmica

A vida é cheia de emoções!

“São tantas emoções eu vivi…” fala Roberto Carlos em uma de suas canções!

Vamos colocar essa frase no presente e de si para si mesmo. São tantas emoções que eu VIVO a cada dia, cada hora, cada segundo!

A vida sem emoção é sem graça, sem cor, sem movimento. A própria etimologia da palavra emoção, que vem do latim, fala-nos desse movimento de dentro pra fora.

Estaremos refletindo sobre as Emoções humanas. Então, falaremos do Eu-pessoal. O ser humano visto de “per si”, ou seja, ele em sua essência, suas reservas, suas descobertas, suas matizes singulares ao ver, ouvir, sentir e falar e levar sua vida.    O Eu Pessoal procura um sentido existencial, abrindo-se sempre para três dimensões independentes da sua concepção religiosa, raça, cultura, entre tantos outros seguimentos, a saber:

– Para o Humano – ele se reconhece e conhece o outro (humanização psicossocial).

– Para o Cósmico – ele reconhece, conhece e interage com o mundo.

– Para o Absoluto – ele sente a transcendência, o Amor absoluto que lhe outorga o direito de amar e ser amado.

Emoção

Resultado de pensamentos internos ou de acontecimentos externos que fazem surgir pensamentos e sentimentos dentro da pessoa e consequentemente, levando-a a uma emoção.  Esta emoção pode ser uma conduta no nível apenas interior ou se expandir para o mundo exterior e pode ter consequência promotora ou inibidora da saúde, do bem estar, do progresso em vários âmbitos da vida em geral.

No decorrer do texto essas ideias ficarão mais claras.

Daniel Goleman, em seu livro Inteligência Emocional ao explicar o que são as emoções diz: “Todas as emoções são em essência, impulsos, legados pela evolução, para uma ação imediata, para planejamentos instantâneos que visam a lidar com a vida”… “ó primeiro impulso’, em circunstâncias emotivas não vem da cabeça, mas do coração”..

Goleman,distingui três tipos de emoções, que ocorrem sem que tenham grandes explicações, decorrentes da situação e personalidade de cada pessoa.

Primeiro – emoção instantânea – mais frequentemente percebida pela própria pessoa e por quem está perto dela tendo ou não envolvimento com a situação.

Sentimento gerando > emoção >  ação. Isto tudo em segundos.

Segundo – emoção pós analise de uma situação – acontece quando um pensamento acontece antes do sentimento gerador da emoção .

Pensamento > analise > sentimento > ação

Um exemplo bem comum acontece em cidades pequenas, em bairros de cidades maiores, quando em uma ida rotineira para pegar o pãozinho fresco na padaria logo cedo, de longe a pessoa avista um aviso afixado na porta fechada. Ela já se prepara, pois percebe que algo anormal aconteceu. Ao se aproximar lê “por motivo de falecimento…” dependendo da ligação com os donos da padaria da forma como funciona sua psicodinâmica, a pessoa experimentará uma leve, media ou grande emoção, dependendo também do quão desenvolvida estiver sua inteligência emocional (QE). As respostas emocionais após analise, em geral, vem de forma mais adequadas.

Terceiro – emoção evocada – aquelas que são convidadas conscientemente pela pessoa. Emoção evocada é comum encontramos nos artistas. quando se utilizam de emoções tristes, raivosas ou alegres para vivenciar cenas do seu personagem.

Pensamento > emoção > ação

Na vida real também encontramos artistas que evocam emoções vividas no passado para encená-las no presente. Motivos? São muitos. Desde um simples convencimento a si mesmo ou a outrem sobre uma questão irrelevante até os mais complexos motivos para servirem como álibi em uma transgressão. Assim a sensação provocada e instalada, propositalmente.

Estados Emocionais

Os Estudos científicos sobre as emoções estão ganhando força e reconhecimento de toda a sociedade.  Na área da saúde, graças a inúmeros trabalhos científicos o reconhecimento da influencia e relação entre emoções e a saúde ou  as emoções e as doenças.

Na relação emoções e saúde a contribuição preponderante veio em 1989  com Martin Selegman psicólogo norte americano, quando criou a Psicologia Positiva. A psicologia passou a ter o foco do seu trabalho que antes era minimizar a “dor” ou curar  doenças, para trabalhar questões que não só minimizasse aquele “dor” e doenças, mas que a vida daquela pessoa fosse preenchida com emoções positivas, agradáveis, com momentos de felicidade plena, o flow, e conseguisse contribuir para o bem de si mesmo e do seu próximo!

Tenho feito palestras sobre a psicologia positiva e o que mais me encanta é o encantamento e a descoberta, pelas pessoas, de que é possível ter uma vida prazerosa, feliz, obter engajamento e sucesso  como pessoa e profissional nesta vida, apesar dos “apesares”, expressão que roubei da minha filha, dita na sua mais tenra idade.

Você quer ter esse tipo de vida? Pensa aí, vale a pena!

Estados Emocionais

Os estados emocionais são as modificações físicas, químicas e pensamentos/sentimentos  vividas a cada emoção.

Todos  aprendemos, bem cedo, sobre os cinco sentidos físicos olfato,visão, audição, gustação e tato, sendo o olfato o mais desenvolvido  no nascimento. Os sentidos nos permite  interpretar e atuar nas experiências físicas.  E, as  emoções são nossos sensores que nos ajudam a entender as experiências vividas desde a mais tenra idade até o final da vida! As emoções nos ensinam, mostram caminhos, encorajam e motivam nossas ações.

Vamos ver  a contribuição de dois  cientistas que pesquisaram e documentaram sobre as emoções. Muitos estudos foram realizados desde o sec. VII,    até nossos dias. Dois deles quero trazer aqui devido  a relevância de suas descobertas. Paul Ekman e Daniel Goleman.

Paul Ekman trouxe o conceito da Universalidade das Emoções. Quando fez a pesquisa concluiu que todos os povos independente de religião, cultura, costumes, inteligência, raça, gênero sexual, trazem em seus rostos expressões equivalentes para a alegria, a tristeza, o medo e a raiva.
E a comunidade científica continua até hoje envolvida em estudos elucidando e trazendo esclarecimento sobre a questão no sentido de implementação, pois  o conceito central trazido Paul Ekman prevalece.

São quatro as  emoções  reconhecidas  como básicas cujos sinais faciais, em todas as pessoas, são exatamente iguais. Daí o nome universalidade das emoções.

Paul Ekman psicólogo e pesquisador  classificou quatro emoções principais:

As emoções de  ALEGRIA, TRISTEZA, MEDO e RAIVA como emoções básicas.   Cada uma delas emcabeçam uma gama  de outras com reações, nuances e diferentes formas.  Foi Ekman que trouxe o conceito da Universalidade das emoções,  ou seja, pessoas do mundo inteiro apresentam os mesmos sinais faciais independente de raça,  cultura,  religião,  meio ambiente,  entre  outras variáveis.

Em alguns estudos  a surpresa e o nojo aparecem também como emoção básica. Não falarei dessas  duas últimas. Paul Ekman, psicólogo que trouxe o conceito da Universalidade das Emoções, iniciou essa

pesquisa que teve pesquisadores de peso dando continuidade. E isto se deve a importância que tem as emoções sobre a vida do ser.

 

ALEGRIA transbordamento da felicidade.

TRISTEZA afastamento do mundo, recolhimento.

MEDO pavor, ansiedade irracional ou fundamentada

 

RAIVA  pode  destruir  e também salvar.

Daniel Goleman

Inteligência Emocional – IE

Um  indivíduo emocionalmente inteligente é aquele que consegue identificar suas emoções.  Ter inteligência emocional é ter habilidade de encarar as suas reações emocionais, analisá-las antes da tomada de uma ação. Em outras palavras, ter IE é ser sincero para consigo mesmo. É aprender a superar frustrações e adversidades, é manter em nível satisfatório de auto motivação.

O ser humano ser complexo, completo, dotado de inteligência, potencialidades, que o torna único e superior entre todos os animais, ao mesmo tempo, embora tenha as mesmas necessidades básicas dos animais irracionais (vida instintiva), com o grande diferencial: é o único animal dotado de potencia e habilidade para controlar seus instintos, seus desejos..

“Somos quem somos” “nós não somos as nossas emoções e nem nossos pensamentos”, vários autores desde Aristóteles a àquele que disserta,  hoje, sobre o ser humano,  repetem  o mesmo  conceito.

Fechando esta síntese quero pontuar 5 pontos importantes que permitem  ter o controle das próprias emoções.

 

1º- Auto conhecimento

 

2º- Lidar com as emoções, conhecer a própria essência possibilita ter o contato com os próprios sentimentos de uma dor ou raiva intensa a alegria  ao envolvimento que,  por sua vez,  deixa acontecer o fluxo com o universo uma força maior.

 

3º- Auto motivação, enquanto você estiver esperando  que o outro ou que uma situação venha te motivar,  a auto motivação não acontecerá. O movimento  é  de dentro pra fora. Sai do coração.

 

4º- Empatia, reconhecer  as emoções do outro. Traz a riqueza e a comunicação assertiva e bem humorada, podendo até reverter situações de choque para um momento melhor.

 

5º- Habilidades sociais,  no convívio social além da empatia é preciso ter habilidades sociais complementares.

 

Por fim, quero dizer-lhe:

O que te liga, te motiva, te leva a tomar esta ou aquela decisão, te conecta consigo mesmo e com o mundo são as emoções, que por sua vez, estão intimamente ligadas a estímulos internos de dentro, no mais profundo do  ser!

 

Referencias Bibliográficas

Goleman, Daniel – Inteligência Emocional-1995

Tolle, Eckhart  – Praticando o Poder do Agora-1948

Richard Bandler e John Grinder – Resignificando -1982

Carl A, Jung – O Homem e seu Simbolos -1964

Deixe um comentário